Imprensa

|

Notícias

06/02

Central de Cad e Corte da Serra Gaúcha encerra 2019 positivo.

Primeiro complexo do Rio Grande do Sul, que iniciou as atividades em março de 2018, acumula 1.500 horas máquina de trabalho e mais de 270 mil peças cortadas no ano de 2019.

COMPARTILHAR:

Primeiro complexo do Rio Grande do Sul, que iniciou as atividades em março de 2018, acumula 1.500 horas máquina de trabalho e mais de 270 mil peças cortadas no ano de 2019.

 

O ano de 2019 foi intenso na Central Coletiva de CAD - Criação Assistida por Computador - e Corte do APL Pólo de Moda. No ano de 2019 a Central atendeu 468 empresas, 1.500 horas máquina de trabalho e mais de 270 mil peças cortadas.

Alguns fatores são fundamentais para que o projeto seja de fundamental importância, a Diretora Financeira do Polo de Moda, Mercedes Manfredini, destaca alguns deles: “a inserção no Brasil cada vez mais intensa de artigos confeccionados de outros países, a partir de 1990, o mercado brasileiro começou a perceber a necessidade de superação de sua deficiência tecnológica e de criação.

A tendência mundial é a de que o consumo seja focado no design, como valor agregado, além da qualificação do produto.

Neste contexto, as empresas associadas ao APL Polo de Moda, têm a oportunidade de conquistar um espaço maior no mercado ao adotar uma política de aumentar a produção investindo no desenvolvimento de tecnologias para obter resultados que satisfaçam as necessidades desse mercado.

Percebe-se nas pequenas e médias empresas tem dificuldade de acesso a máquinas de alta tecnologia. O Sistema de Cad e Corte oferece a oportunidade de uma maior produção e eficácia no sistema de encaixe. Isto vai melhorar a qualidade dos produtos e a qualificação do processo produtivo.”

O complexo, com tecnologia japonesa é primeiro do Rio Grande do Sul a oferecer esse serviço ao setor têxtil, está disponível para pequenas, médias e grandes empresas de confecção que hoje realizam o corte de maneira manual. O valor do investimento para a aquisição dos equipamentos de R$ 1,6 milhão foi captado por meio do BID (Banco Mundial via Secretaria de Desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul).

A Central pode operar 24 horas por dia, com média de 10 mil a 15 mil peças/dia. “Se trabalhados 22 dias, é possível uma média de 300 mil peças/mês. Portanto, a capacidade de produção é imensa se considerarmos que a maioria das empresas da nossa região é de pequeno e médio porte”, ressalta Remussi.

Além destes números crescentes, além das atividades de corte, o Polo de Moda também oferece atividades de digitalização de moldes, encaixe e plotagem. Foram 340 digitalizações, 150 ajustes de moldes e 336 encaixes no ano de 2019.

A Central Coletiva possui máquina de corte automatizado com sucção, mesa de enfesto com 13 metros de comprimento, máquina de enfesto de tecido automática, plotter de 2,20 metros, plotter de corte e risco, sistema de modelagem Weltcad e mesa digitalizadora com precisão para digitalização de moldes. No complexo, é possível cortar todos os tipos de tecidos, inclusive não tecidos com avaliação da área técnica do Pólo de Moda. A Central está localizada no bairro Cidade Nova, junto ao APL Pólo de Moda.

 

 

Sobre o Pólo

 

Fundada em Caxias do Sul no ano de 2004, a Associação Pólo de Moda da Serra Gaúcha é uma articulação institucional regional do Arranjo Produtivo Local – APL Moda, que tem o objetivo de integrar, promover e desenvolver o setor da moda na Serra Gaúcha. Conta ainda com organização setorial cooperada de entidades, governos e instituições de ensino e pesquisa com fins ao desenvolvimento e crescimento sustentável da região.

 

O Pólo atende 48 municípios que abrangem os Coredes Serra e Hortênsias. Nestas cidades, são 1840 empresas têxtis, que geram, em média, 9 mil empregos. A diretoria atual é composta por Sidimar Remussi, presidente; Helena Souza Berti, vice-presidente e Mercedes Manfredini como diretora-financeira.

 

Fonte: Pólo de Moda

Foto: Perphoto


Fonte: Fonte: Pólo de Moda Foto: Perphoto