Imprensa

|

Notícias

01/11

Futuro da moda: modelos e roupas digitais se tornarão a norma?

À medida que avançamos para a terceira década do milênio, a moda abrange um campo de jogo cada vez mais imaginativo, com suas raízes no mundo digital.

COMPARTILHAR:

A moda sempre explorou o elemento de fantasia, que os estilistas vêm praticando há décadas. Das maravilhas da alta costura da Chanel e Dior, a indústria tem uma capacidade incomparável de explorar noções de aspiração e escapismo. À medida que avançamos para a terceira década do milênio, a moda abrange um campo de jogo cada vez mais imaginativo, com suas raízes no mundo digital.

 

O que as marcas de moda Ellesse e Balmain têm em comum? Elas abraçaram o futuro das modelos e roupas digitais. Ou notavelmente uma modelo: Shudu. A modelo digital 3D foi criada por Cameron-James Wilson. Inicialmente um fotógrafo de moda, Wilson decidiu tentar desenhar em 3D em 2017, quando sua primeira criação de Shudu se tornou viral no Instagram.

 

“Eu não estava tentando criar uma supermodelo virtual ou algo parecido na época, estava criando um belo retrato de alguém porque adoro ilustração”, diz Wilson ao Standard. Aqui está o que você precisa saber sobre Shudu e o que o futuro reserva para modelos de IA.

 

Como Shudu foi criada

 

Depois de 10 anos trabalhando na moda, Wilson diz que não se sente mais inspirado pelo seu trabalho cotidiano, então decidiu dar um passo atrás e trabalhar no desenho 3D. Depois de compartilhar seus projetos nas mídias sociais, um amigo estilista, Tokyo James, postou um dos desenhos de Wilson de Shudu no Instagram, e ela explodiu.

O avatar foi inspirado na boneca Barbie Princesa da África do Sul, a favorita de Wilson e nas supermodelos Alek Wek, Naomi Campbell e Iman. Embora Shudu possa ser a primeira de sua espécie, ela está longe de ser a última. A resposta de todos os cantos do setor foi tão positiva que Wilson agora dirige a primeira agência de modelos digitais do mundo, The Diigitals, com sete modelos em seus livros e mais em desenvolvimento.

 

O impacto do mundo online na indústria da moda tem sido profundo. Isso mudou a maneira como compramos e encontramos a inspiração. Mas os maiores desenvolvimentos digitais, ao que parece, ainda estão por vir. Os modelos gerados por computador não apenas estabelecem firmemente seu lugar no mercado, como também as roupas digitais estão se tornando realidade.

 

A CLO é uma das plataformas que transformam as roupas em digitais. Especializada em simulação de vestuário 3D realista, a tecnologia permite que designers e estudantes de moda realizem sua visão sem o desperdício de inúmeras amostras. Também ajuda as marcas a criar versões digitais de suas coleções.

 

“Como as roupas virtuais se tornaram hiper-realistas o suficiente para substituir as roupas físicas, seu uso em várias facetas da indústria é inevitável”, diz Iris Kim, especialista em marketing da CLO 3D. “Não apenas é extremamente econômico, mas permite que dados e informações viajem mais rápido do que nunca, usando o 3D como ferramenta de comunicação.” As marcas de luxo estão começando a adotar um caminho digital e, graças a várias campanhas de destaque, modelos digitais vestindo roupas virtuais estão se tornando comuns.

 

O diretor criativo da Balmain, Olivier Rousteing, fez uma campanha de enorme sucesso no verão passado que contou com Shudu, além de Margot e Zhi, outros dois modelos criados pelos Diigitals. “Todos são sempre bem-vindos a se juntar às crescentes fileiras do exército Balmain – eles precisam apenas compartilhar nosso ousado espírito de aventura “, disse Olivier na época. “Nossos novos ícones virtuais, Margot, Shudu e Zhi refletem a beleza, o estilo do rock e o poder confiante.”  Shudu liderou a campanha Primavera/Verão 2019 da marca ellesse usando roupas esportivas dos anos 90.

Balmain trabalhou com a CLO para replicar digitalmente os vestidos de lantejoulas exclusivos da marca, que foram recriados com o mesmo nível de detalhe meticuloso que os reais, tornando quase impossível diferenciá- los. Há uma diferença, é claro, entre realidade e fantasia, e entre natural e não natural, mas em um mundo em que imagens de modelos e celebridades são retocadas além do reconhecimento, por que não usar modelos virtuais?

 

No entanto, há um problema. Com a indústria da moda é denunciada por seus padrões de beleza quase impossíveis, a adição de modelos digitais projetadas com recursos perfeitos e proporções inatingíveis não eleva ainda mais esses padrões? Wilson acredita que modelos famosas acabarão convertendo sua imagem em 3D, congelando sua aparência com o tempo. “Elas poderão fazer campanhas ilimitadas por dia e modelar por décadas, sem precisar envelhecer. A menos que elas queiram”, acrescenta. “O design de moda 3D é o passo mais importante que a indústria da moda precisa dar. Definitivamente, vejo a luz e tenho certeza de que a revolução digital está a caminho. ”


Fonte: Fonte: Stylo Urbano/Assintecal Foto: Divulgação