Imprensa

|

Notícias

26/02

Procura por Central de Criação e Corte do Pólo de Moda aumenta 80% nos últimos três meses

Primeiro complexo do Rio Grande do Sul, que iniciou as atividades em março de 2018, acumula 437 horas de trabalho e mais de 39 mil peças cortadas

COMPARTILHAR:

Os últimos três meses têm sido intensos na Central Coletiva de CAD - Criação Assistida por Computador - e Corte do APL Pólo de Moda. Os trabalhos nos meses de novembro, dezembro e janeiro aumentaram em 80%. Neste período, a Central passou de 40 para 47 empresas atendidas, de 340 para 437 horas de trabalho e de 25 mil para 39 mil peças cortadas. “Estamos trabalhando com agendamento prévio, pois muitas datas estão comprometidas. Pedimos que todos os interessados façam esse contato antes para garantir horário na Central”, salienta o presidente do Pólo, Sidimar Remussi.

O complexo, com tecnologia japonesa e primeiro do Rio Grande do Sul a oferecer esse serviço ao setor têxtil, está disponível para pequenas, médias e grandes empresas de confecção que hoje realizam o corte de maneira manual. O valor do investimento para a aquisição dos equipamentos de R$ 1,6 milhão foi captado por meio do BID (Banco Mundial via Secretaria de Desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul).

A Central pode operar 24 horas por dia, com média de 10 mil a 15 mil peças/dia. “Se trabalhados 22 dias, é possível uma média de 300 mil peças/mês. Portanto, a capacidade de produção é imensa se considerarmos que a maioria das empresas da nossa região é de pequeno e médio porte”, ressalta Remussi.

A proprietária da Magia Doce Confecções, Roberta Stangherlin, ressalta que já utilizou a central em diferentes momentos. “Tenho uma confecção de pijamas infantis e o diferencial ao utilizar o complexo é a economia de tempo e de dinheiro. Buscamos o espaço para melhorar o processo de produção e otimizar o tempo e tivemos retorno com precisão no corte, rapidez e custo/beneficio”.

Para Cristina Guarese Turra, proprietária da Confecção Costurra, de Flores da Cunha, o complexo deu agilidade e qualidade à produção. “Fabricamos moda feminina e estamos há três anos no mercado. Esse ano o volume de peças aumentou e, ao invés de ampliar a empresa, busquei o complexo. Percebi uma redução de 10% no desperdício de tecido e melhor aproveitamento do material, conseguindo fabricar de 5% a 10% mais peças no rolo”, comemora a empresária.

A Central Coletiva possui máquina de corte automatizado com sucção, mesa de enfesto com 13 metros de comprimento, máquina de enfesto de tecido automática, plotter de 2,20 metros, sistema de modelagem Weltcad e mesa digitalizadora com precisão para digitalização de moldes. No complexo, é possível cortar todos os tipos de tecidos, inclusive não tecidos com avaliação da área técnica do Pólo de Moda. A Central está localizada no bairro Cidade Nova, junto ao APL Pólo de Moda.

 

Sobre o Pólo

Fundada em Caxias do Sul no ano de 2004, a Associação Pólo de Moda da Serra Gaúcha é uma articulação institucional regional do Arranjo Produtivo Local – APL Moda, que tem o objetivo de integrar, promover e desenvolver o setor da moda na Serra Gaúcha. Conta ainda com organização setorial cooperada de entidades, governos e instituições de ensino e pesquisa com fins ao desenvolvimento e crescimento sustentável da região.

O Pólo atende 48 municípios que abrangem os Coredes Serra e Hortênsias. Nestas cidades, são 1840 empresas têxtis, que geram, em média, 9 mil empregos. A diretoria atual é composta por Sidimar Remussi, presidente; Paola Reginatto, vice-presidente e Mercedes Manfredini como diretora-financeira.


Fonte: Pólo de Moda - Assessoria de Imprensa/ Adriana Silva